Toby Collection, pioneer in accessible for children gisele.jorn@uol.com.br

Loading...

31/12/2011

Paz Universal

No último dia do ano não passei muito bem pela manhã. Dor forte na coluna e sintomas de constipação intestinal que persistem desde o acidente com trauma na medula espinhal. As dores demandam o uso de analgésicos opióides e a depressão o uso de anti-depressivos. Ambos contribuem para piorar a má digestão.
Recebi os cuidados do enfermeiro Edu, do convênio médico, e da Cleydiane. Ela auxiliou-me no banho e a controlar a minha dor e o meu choro quando vi sangue em minhas mãos. Edu fez o curativo com o carinho de um irmão. Depois nos abraçamos e desejamos um ao outro um Feliz Ano Novo. Amanhã, Dia da Paz Universal, peço a presença do Espírito Santo em cada dia do Ano Novo para mim e para todas as pessoas que amo e para quem ainda amarei o suficiente para continuar recebendo as graças de Deus.

28/12/2011

MINHA MÃE parte II

Nesta manhã tive o privilégio de abraçar minha mãe bem apertadinho e lhe agradecer por todo o amor e fé inabaláveis como sempre nos conduziu, a mim, a meu irmão e a meu falecido pai.
A última palavra aqui em casa sempre foi dela.
Tenho me esforçado bastante para compartilhar com mamãe um pouquinho do muito que já dividimos juntas em quase meio século de vida em comum: trabalho, cuidados com a casa, com as pessoas da família, compras e tudo o mais que envolve o complexo mundo de uma dona-de-casa que nunca teve empregados pois sempre contou com a força e a saúde que lhe foi dada por Deus e com a minha presença constante, sobretudo depois do falecimento do papai.
Penso que sufoquei mamãe com tantos mimos e cuidados. Ah! Tenho saudades... Sempre gostei dos verbos fazer e cuidar. Agora conjugo o verbo reaprender, que implica em ser cuidada e fazer o possível.
Conto com a ajuda de pessoas amigas para cuidar de mim e auxiliá-la nas tarefas externas à nossa casa. Ainda não estou treinada para sair na rua com a cadeira de rodas. Moramos numa cidade que, a exemplo da maioria das cidades brasileiras, jamais estudou o espaço urbano sem barreiras arquitetônicas.
Pessoas com a disposição de luta da deputada federal Mara Gabrilli fazem falta. Ela é a primeira brasileira tetraplégica a iniciar a quebra de barreiras. Lembro-me quando entregou ao então prefeito eleito José Serra um projeto nesse sentido e ele lhe confiou a primeira Secretaria de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência e Mobilidade Urbana.
Por meio da ong que leva o seu nome, Instituto Mara Gabrilli, tive a alegria de ganhar uma cadeira de rodas e uma almofada muito leves e confortáveis que me possibilitaram, enfim, sair da cama, almoçar com mamãe e dividir algumas tarefas.
Hoje cortei os legumes da salada, enxuguei a louça, mediquei o Toby e escovei sua pelagem branca. Ficou parecendo um carneirinho.
Dia destes aprendi mais uma coisa: lavar o banheiro na cadeira de rodas. Bom demais para quem ainda carrega sequelas como feridas, dores e paralisia completa dos membros inferiores.
Enquanto finalizo esse texto, pois daqui a pouco receberemos a visita de um casal amigo, mamãe me entrega a correspondência deixada pelo carteiro.
Que sincronia!
Um cartão de boas festas da deputada federal Mara Gabrilli.
Ela escreveu: "...que em 2012 você possa trilhar o melhor dos caminhos, o dos seus sonhos".
Nossos olhos se enchem de lágrimas pois eu e mamãe sonhamos o mesmo sonho e penso que sonhar juntinho é o começo da realização.
Muito agradecida a todos que me possibilitaram passar mais este Natal, Aniversário da Fany e a passagem para o Ano Novo na simplicidade da minha casa.
Minha querida mãe num dia de sonho realizado: o lançamento do meu primeiro livro, "Um par de asas para Toby", na Praça de Eventos do Osasco Plaza Shopping. A pequena Pamela hoje está com 18 anos. Atrás dela o meu melhor amigo (ten. Mario Orlandini +). Ao lado dele o querido Mecchi, ilustrador dos meus três primeiros livros, o escritor Marcos Cezaretti e meu irmão José Lourenço.

27/12/2011

MINHA MÃE parte I

Tenho uma mãe dedicada e amorosa, sempre muito alegre, mesmo com o coração sangrando. Pequenina, ágil e graciosa como uma beija-flor. Seu nome é Fany e nesta quarta, 28, ela completa 91 anos de vida.
Não pude ir à loja São Pedro comprar o que deseja: um ventilador de teto para nosso quarto.
Liguei para lá, encomendei o modelo que eu sei que ela mais gostaria e combinei a entrega com o vendedor. Ele reconheceu a minha voz. Que maravilha ser lembrada pela voz. Há dois anos não saio de casa para comprar coisa alguma. 
Além da entrega e do pagamento combinamos um jeito de instalar o aparelho entre hoje e amanhã. Se não der não tem importância. Aprendi a fazer a minha parte e esperar. E como tenho esperado...
Na parte II concluo a minha homenagem para a minha mãe.
Hoje não dá mais para fazer coisa alguma. Estou com as pernas e a coluna rígidas, sem fisioterapia há muito tempo...
As feridas no glúteo começam a queimar como fogo e a reclamar mudança de decúbito. Preciso pedir ajuda para ir agora para a cama. 
Fany com geógrafos no lançamento do livro Uma Aventura na Amazônia - RAYCHA,
no Teatro Eva Herz, Livraria Cultura.
A mais pequenina entre os seguidores do mestre Aziz Ab'Sáber, meu orientador no livro.

Em tempo:

O amigo Wilson Procidelli encaminhou o eletricista Anésio. Ele instalou o ventilador com o maior carinho e nos distraiu com a sua presença amável e atenciosa.
Alberto nos visitou e entregou à mamãe uma bonita planta decorativa verde simbolizando a saúde. Dois cartões acompanhavam a plantinha, um para mim e outro para mamãe, assinados por ele, pela esposa Maria Helena e pelos filhos Victor e Vivian. Alberto é nosso fiel amigo da comunidade Bom Jesus Pastor. Desde que voltei para casa e comecei a organizar uma corrente de amigos e prestadores de serviços para nos auxiliar, ele tem acompanhado gentilmente mamãe nas compras mensais de suprimentos para nossa casa. É calmo, educado e silencioso como todo genuíno oriental.
Como é bom ter amigos e receber deles o carinho de irmãos. Coisas que Deus prepara em nossa vida enquanto cuida de nós até o final dos nossos dias, com o amor de Pai.


23/12/2011

Mensagens

Por ordem de chegada, recebi e agradeço mensagens com bons votos para o Natal e Ano Novo:

. Profa. Tia Neyde Pecchio, Quatá (SP)

. Sirlene e Dr. Antonio Travanca, Osasco (SP)

. Mara Gabrilli (IMG) - deputada federal (jornal do mandato)

. Câmara Municipal de Osasco - Presidente Aluisio Pinheiro, Vereador:
"Natal é crer na força do amor!..."

. Valmir Prascidelli - Vereador, Osasco

. Luiz Antonio de Souza - Superintendência Executiva do Bradesco

. Profa. Marta de Almeida Gil - Rede Saci (USP)

. Clara Faria - Diretora do Jornal A Rua

. Ana Maria, Diretora da Duograf

. Enfª Emilia Del Cistia, Hospital Albert Einstein

. Canadá Imóveis

. Primos: Verônica, Virgínia, Mariuza, Malu e Alexandre Itu (SP)

. Nicola Pelaccia e Família

. Mara Gabrilli, deputada federal: "Que em 2012 você possa trilhar o melhor dos caminhos: o dos seus sonhos".

Recordo com os leitores do Blog um momento feliz vivido
por mim em dezembro de 2005 e que inspirou essa mensagem

18/12/2011

Seguir Menino-Deus no Natal...


clicar sobre imagem para imprimir em A4

Ninguém precisa crescer dentro do coração

Desejo que os povos do mundo todo sigam
a mensagem abaixo, neste Natal.
No Ano Novo, convido os pais a colorir
com seus filhos os personagens da coleção Toby
para um 2012 repleto de cor e alegria.
Não deixem de ler juntos as aventuras do cão defensor
da natureza e das boas práticas com o meio ambiente,
começando pelo amor que devemos ter uns com os outros.

Gisele Pecchio
escritora

Ilustração Mecchi

28/11/2011

ACESSIBILIDADE


Imagem: mãos das alunas Laura e Mariana lendo o livro "Um par de asas para Toby", em braile e tinta ampliada, na biblioteca do colégio Ofélia Fonseca, Higienópolis, capital, SP

Mundo acessível é onde cabem, em primeiro lugar, diferentes pensares sobre os mesmos assuntos. É onde há igualdade de oportunidade para todos, sabendo que muitos precisam mas poucos fazem por merecer. 
Mundo acessível é pensar em protocolos universais para todos os assuntos que garantam a vida e a qualidade dessa vida.
Desde 5 de janeiro estou em casa, numa difícil readaptação à vida e às coisas simples do cotidiano. Uma das poucas coisas acessíveis na minha casa, a tábua de passar roupas, quebrou e não acho outro modelo onde caibam as pernas da cadeira de rodas.
Sem falar da pia e do fogão da cozinha. Adoro cozinhar e lavar louça e simplesmente não sei como resolver isso.
Já no tanque de lavar posso dar banho no cãozinho aqui de casa. Mesmo sem controle de tronco vou balançando mas não caio e ele me ajuda muito, melhor do que qualquer ser humano. Cachorros e cavalos são animais sensitivos e muito inteligentes. Conhecem a nossa alma.
Como seria bom se nossos legisladores e gestores públicos pensassem como é inviável para pessoas com necessidades especiais morar em cidades sem desenho universal na sua arquitetura. Nem nos modernos prédios, em construção, são respeitadas as normas técnicas ABNT de acessibilidade. Onde está a legislação e a fiscalização?
Todos nós envelheceremos, adoeceremos e somos passíveis de nos acidentar e ficarmos privados, temporária ou definitivamente, do andar com o uso das pernas ou sem o uso de uma bengala ou cão-guia.
E o que dizer às crianças e adultos cegos sem livros em braile para se alfabetizar e ter acesso aos saberes?
Vamos refletir sobre isso hoje, amanhã, dia 3 de dezembro e sempre.

24/11/2011

Dia Nacional de Ação de Graças

O Dia de Ação de Graças é uma tradição originária dos Estados Unidos e está calcado no mais nobre dos sentimentos cultuados pela humanidade através dos tempos: a gratidão. 
O "dar graças" está presente em todas as crenças e religiões. Agradecer pela boa colheita, pela saúde, pela superação de problemas, pela vida, por mais um dia, por um banho e um prato de comida temperado pela mãe com amor na ponta dos dedos. Quem nunca agradeceu por um presente ou por uma visita querida em casa ou no leito de um hospital?
Nesta quinta, 24, novembro de 2011, dou Graças a Deus pelo primeiro dia sem dor, faltando 37 dias para terminar o ano.
Que seja o primeiro de muitos dias sem as terríveis dores que maltratam o meu corpo físico e quase roubam o meu corpo espiritual. Mas ele está aqui, lutando, como sempre, embora sem qualquer controle da parte motora do estômago para baixo do corpo que ainda não se reconhece e que eu, Gisele, não reconheço mais.
"São duas as Gisele, uma brigando com a outra", disse o querido amigo Toninho Travanca, que deu-me a Graça da visita, hoje. A presença querida em minha casa também é motivo para eu dar Graças pela sua vida e pela vida da sua irmã Sirlene.
Toninho é grande vencedor. É "o cara". Um advogado com cabeça de engenheiro, profissão renunciada por ele após o acidente que o deixou tetraplégico. No alto dos 50 anos como cadeirante, ele fez o que parecia impossível graças ao poder da mente privilegiada dada a ele por Deus. Toninho renunciou a carreira de engenheiro civil, passou em primeiro lugar no vestibular para a Faculade de Direito e tornou-se um habilidoso motorista que se desloca com desenvoltura pelas ruas, avenidas e estradas levando seus amigos e familiares como passageiros do ilustre e sorridente motorista.
Deus existe. É o Amor e a Razão, forças que movem o Universo e cuja poderosa centelha está guardada em cada um de seus filhos. Quando todos somos um essa força opera milagres. Nesse milagre eu creio. No milagre da vida. Um pelo outro. Todos por um. Um por todos.
Obrigada Jesus. Hoje vou dormir com a certeza que acordarei mais forte para lutar pela minha vida. A vida que jamais me pertenceu. A vida que é daqueles que me amam e lutam por mim enquanto faço a minha parte, cuidando melhor de mim como jamais fiz antes.

*Thanks-Giving Day - A tradição norte-americana, originária do meio rural do estado de Massachusetts, comemorado todos os anos, nacionalmente, na quinta-feira da quarta semana do mês de novembro, também no Brasil é comemorada. Foi uma iniciativa do governo do então presidente Eurico Gaspar Dutra (1945-51) influenciado por Joaquim Nabuco, então embaixador do Brasil nos EUA.
Eu quisera que toda a humanidade se unisse, num mesmo dia, para um universal agradecimento a Deus” teria dito Nabuco, ao participar da celebração na cidade de Washington. Da inspiração do embaixador surgiu a Lei 781 estabelecendo o Dia Nacional de Ação de Graças, coincidindo com a data lembrada pelos EUA, Inglaterra e outros países.

Não poderia finalizar esse artigo sem antes lembrar de Amador Aguiar, um ilustre brasileiro e um dos maiores e mais bem sucedidos empresários do mundo financeiro. O fundador do Bradesco e da Fundação Bradesco, onde tive o privilégio de trabalhar, foi pioneiro ao celebrar o Dia Nacional de Ação de Graças em grandiosa festa cujos protagonistas eram alunos da Fundação Bradesco, a "menina dos olhos" do incomparável Amador Aguiar. O Brasil parava, ao meio-dia, da quinta-feira da quarta semana de novembro, todos os anos, para assistir em rede de rádio e televisão a grandiosa celebração de Graças a Deus, Graças à Vida, Graças ao Trabalho e aos seus frutos.

(*) fonte: Prof. Sandro Silva Araujo - Licenciado em Filosofia e Bacharel em Teologia.

16/11/2011

Frases para lembrar sempre

"Deus nos deu essa bênção: você é forte".
"Filha, Deus te abençôe. À tarde vou aí no hospital".
"Vamos em frente, Deus trará você de volta logo para casa".
"Viva acordada no bem e os sonhos serão belos e bons".
"Na vida não existem prêmios nem castigos, há consequências".
"Fique com Jesus".
"Não tenhas medo; retirei para preservar e no momento certo te retornarei o que te pertence". (Thauanne, 12, filha da enf.Sílvia, lembrando a palavra de Jesus)
"Ponha a tua vida nas mãos do Senhor, confie Nele e Ele o ajudará". (sl 375)
"Nunca se deve engatinhar quando o impulso é voar" (Hellen Keller)

Envie frases para LEMBRAR SEMPRE, neste post.

Frases para esquecer

"Idiota. Imbecil".
"Você é peso morto agora; peso morto pesa o dobro".
"Você não tem nada, a medula se regenera, seu caso é psiquiátrico".
"Sua dor não existe é coisa da sua cabeça".
"Você está sozinha e vai ter que se virar".
"Você é um demônio, por isso ainda não morreu".
"Esse quarto parece curva de rio, só mandam lixo para cá" (do clínico que me "assistiu" no 3º andar do hospital).
"Essa perna se cura com boxe tailandês*" (do mesmo médico que trata paciente como lixo e acaba resultando em muito prejuízo à saúde do mesmo e para o próprio hospital). Nota: é hospital particular mas na mídia só picham as instituições públicas, especialmente nas áreas da saúde e educação.

(*) boxe tailandês é igual a violência, onde vale todo o tipo de golpe sujo, sem qualquer regra de civilidade. Como praticante de artes marciais que fui até os 29 anos, a doutrina apregoada em qualquer das artes, enquanto esporte, é o respeito ao adversário. O respeito é o princípio básico de qualquer relacionamento humano e o fundamento de todo e qualquer esporte.

O que é mais fácil: esquecer ou perdoar?

Para mim, esquecer é mais difícil. Nelson Mandela disse: "perdoar sempre, esquecer jamais". Mas como é possível perdoar se não se esquece?
Frases ditas por pessoas queridas e próximas são duras e ferem como uma lâmina afiada.
Quem dá a chibatada esquece mas quem recebe não esquece jamais. Fica lá a cicatriz, na alma.

11/11/2011

AMAZÔNIA, MARAVILHA DO MUNDO

Minha homenagem
a quem valorizou o Brasil.
Do povo das favelas
aos povos da última
grande floresta tropical
do planeta.

Earth Song, o melhor de MJ "Sou um grande admirador da natureza e é por isso que fico tão irritado quando a cada segundo desaparece do planeta uma área igual a um campo de futebol. É por isso que componho músicas, para despertar a consciência e a esperança nas pessoas...
Eu amo o planeta, amo as árvores, suas cores e a mudança das folhas... Adoro e respeito essas coisas...", diz Michael Jackson em This is it.
"Já parou para observar que a Terra e os Mares estão chorando?..." cantou ele em Earth Song, filmado em quatro continentes, em lugares onde o ser humano tem causado desgraças, um desses locais filmados é a Floresta Amazônica.

link para votação nas 7 Maravilhas da Natureza no Planeta http://www.facebook.com/l.php?u=http%3A%2F%2Fwww.new7wonders.com%2F&h=7AQEL-mCbAQGji-tLBz9CWZqx1l3AZO-rlhY2IVgSYHhxug

09/11/2011

JOSÉ ACIOLI DIAS, MEU PAI

Hoje papai faria 88 anos. Costumava dizer que "a vida é longa quanto melhor forem a herança genética e os bons hábitos de vida. Comer para viver e não viver para comer. O peixe morre pela boca". Dr. Euryclides de Jesus Zerbini também me disse assim, com as mesmas palavras, durante entrevista à revista Franjour, do Banco Francês e Brasileiro (hoje, Itaú Personnalité), alguns anos antes de morrer. Também me disse o famoso cirurgião: "trabalhar é o melhor de todos os remédios".
Papai pensava e trabalhava muito. Senhor dos pincéis, das tintas e das letras que brotavam dos papéis, tecidos, chapas e madeiras com a perfeição milimétrica das suas calejadas e graves mãos.
Mãos. Para mim, as partes que mais admiro no ser humano. Tenho verdadeira admiração por mãos. Herdei do papai a admiração pelas mãos de Portinari e pelas mãos pintadas pelo maior pintor brasileiro e um dos maiores do mundo.
Saudade papai. Hoje, somente o Lourenço pôde visitá-lo no cemitério. Eu estou presa em meu próprio corpo com uma mente que jamais será aprisionada ou ficará refém de pessoa ou droga alguma. Mamãe, incansável, no alto dos seus quase 91 anos, está sempre atenta ao meu lado. Sempre firme, forte e afetuosa.
Afeto. Somos mendigos em nossos lares quando não exercitamos a verdadeira realeza que é o afeto. Ouvi algo assim, dia desses, sobre um psicólogo gaúcho que durante anos ficou privado da troca afetiva com os filhos devido a questões geográficas e jurídicas.
 
Abaixo, fotos de família e tesouros para mim: o retrato do ídolo Pelé, um dos muitos rostos em grafite feitos por Acioli, que torcia pelo Santos Futebol Clube, além do retrato do industrial nacionalista Delmiro Gouveia. Papai muito o admirava e contou-me a saga deste pioneiro na instalação de usina hidrelétrica, em Alagoas (1913), e da fábrica de fios e linhas Estrela, que mais tarde caiu nas mãos da concorrente inglesa Linhas Corrente, até então monopolista do mercado de fios e linhas no Brasil. Depois de construir hidrelétrica, fábrica, estradas, vila operária, escolas e ser modelo de empresário no País, Delmiro foi assassinado aos 54 anos. Em Alagoas, a cidade Delmiro Gouveia eterniza o nome e a obra deste grande brasileiro. 
 
Eu e papai no Campus da USP, numa tarde de 1993
Entrevista com Dr. Zerbini, São Paulo, 1991

Fany e José comigo em Campos do Jordão, outubro, 2001

Retrato em grafite do ídolo Pelé
 
Delmiro Gouveia (1863-1917)






 
 




 

08/11/2011

CONSEGUI. SERÁ?

Ontem, 7 de novembro, recebi telefonema da diretoria do hospital em atenção ao meu pedido: cuidar das minhas úlceras de pressão em casa, de modo que eu não fique exposta aos cuidados de pessoaas não habilitadas a lidar com esse delicado procedimento.
Uma cuidadora já está impossível de se encontrar aqui em Osasco.
Mesmo as técnicas de enfermagem, que têm me auxiliado, precisam de experiência nesse tipo específico de procedimento. E todas elas preferem trabalhar em hospital, por isso a rotatividade é grande deixando-me muito vulnerável e exposta ao desconhecido.
Todo cuidado é pouco.
Da noite para o dia uma ferida dessas pode apresentar necrose e retardar a cura.
Há quase dois anos sofro com as feridas (úlceras) adquiridas no período de internação hospitalar. Elas queimam a minha pele como fogo, noite e dia.
Hoje recebi a visita de dois enfermeiros do atendimento domiciliar do hospital. A enfermeira Mira deixou as instruções com o colega que tem como missão cuidar (de quando até quando nem como não sei) dos meus curativos. Hoje eles até me transferiram para o banho. Amanhã, não sei...
Sei que amanhã terei uma amiga que irá me auxiliar e a esse profissional naquilo que for possível.
Da minha parte, continuarei a cuidar para que nada falte nos meus curativos.
Estou acostumada a recortar gases cirúrgicas no tamanho das feridas, com sobra de 1 centímetro para proteger a ferida e suas bordas (evitar pressão e sangramento) e dar mais conforto quando estou sentada sobre a ferida.
Uso gase de viscose no curativo primário (aquele que recebe a pomada para inserir no leito da ferida). Um conforto que aprendi com a Enfa. Emilia, conhecida do amigo Toninho, nessa longa jornada de sofrimento e dor.
Aprendi até o nome das minhas veias e qual é a que está em melhor condição para ser puncionada.
Até o próximo banho e curativo, com a força interna para lutar pelos direitos mínimos de uma sobrevivente...

















 

06/11/2011

AZIZ AB'SÁBER: INTELECTUAL DO ANO PELA UBE

TROFÉU JUCA PATO 2011
(UBE) - Professor Aziz Ab'Sáber é o intelectual do ano pela União Brasileira de Escritores. A homenagem será realizada dia 15/11, em Ribeirão Preto (SP).
Gostaria de estar presente mas minha condição motora e de saúde ainda não permitem.
Saudades...Mestre Aziz.
Parabéns!
Meu, do Toby, da Laurinha, do Xeique e de outros personagens que o senhor me inspirou a criar em Uma Aventura na Amazônia - RAYCHA.

relendo capítulo do livro, de 2008, Livraria Cultura:
UMA DAS 7 MARAVILHAS DA NATUREZA (Vamos votar!)

Capítulo 6
Rumo a Manaus   
Com vestido rosa e tiara da mesma cor nos cabelos, cheirosa como um buquê da flor do mesmo nome da cor preferida, Laura se permite experimentar e analisar as coisas do mundo para chegar às suas próprias teorias. Gosta de dizer que “para aprender não bastam olhos de ver, mas de sentir”.
— O grande mestre nos dotou com os sentidos físicos e ocultos. São esses sentidos as verdadeiras maravilhas —, explica para Denyse, outra menina que visita o museu. Elas conversam sobre as sete maravilhas do mundo.
— Por que Deus não deu olhos de ver para todos? —, pergunta Denyse.
— Se todos tivessem olhos de ver, só haveria quem enxergasse as maravilhas feitas pelo ser humano. Não haveria quem reconhecesse a verdadeira grande obra encerrada em nós próprios. A grande obra é invisível aos olhos —, responde Laura.
— Para mim a floresta amazônica é uma das maravilhas do mundo e sem olhos de ver não poderia crer nisso —, opina Denyse.
— Não preciso ver as cores para crer na existência delas. Creio no verde das matas, no azul do céu e no vermelho do sangue que transporta o oxigênio e os nutrientes que possibilitam a vida. O mesmo sangue derramado pelos inocentes que tombam em defesa da floresta, vitimados pela cegueira dos que não creem.





Imagens: Lançamento do livro em Osasco e no Teatro Eva Herz, da Livraria Cultura, durante aula do Prof. Aziz Ab'Sáber sobre a Amazônia Brasileira.

04/11/2011

AMANHÃ A DEUS PERTENCE








Blog da Gisele Pecchio
O gerente do estacionamento que serve ao banco Santander, ao lado da minha residência, é um amigo de longa data.
Somos vizinhos. Laércio é dono de uma contagiante risada que alegra qualquer coração. Sempre ouvia a sua risada e sorria para mim mesma quando estava nos afazeres da casa, cozinhando, lavando, esfregando e limpando, além do trabalho de redatora, escritora e palestrante batucando nas teclas do computador.
Nos últimos dez meses em casa, desde a alta hospitalar, tenho ouvido pouco a risada do Laércio. Ele também nunca mais me viu na intensa atividade doméstica, que incluia serviços de pintura e textura em paredes, limpeza da caixa d'água, de gordura e até consertos no telhado.
Telhado. Foi esta a minha última e trágica empreitada aqui em casa. Em 7 de março de 2010 cai de uma altura de 4,5 metros (quase nada para mim, há 52 anos acostumada a subir e descer de muros, lajes e telhados).
Laércio jamais viu tanto entra e sai na minha calma residência. Enfermeiros do resgate e enfermeiros e médica do atendimento domiciliar (home care) do convênio próprio de tradicional hospital particular de Osasco.
Ontem, 3 de novembro, me entristeceu o fato de uma médica ter se recusado a pagar o estacionamento, deixando Laércio constrangido. Ela estava em carro de serviço do atendimento domiciliar. Era só pagar e pedir o reembolso ao hospital.
Deixou-me constrangida o fato de saber que abusaram da amizade e estima que meu vizinho tem por mim.
Papel feio para uma "doutora", que também não soube respeitar a dona da casa onde entra de vez em quando. Minha mãe tem um nome e é lindo: Fany. Ela a chamou de velhinha. Que feio para uma pessoa que deveria ter sido educada para tratar bem as pessoas. Tratar bem é ter o cuidado de saber o nome das pessoas da casa que se visita.
Até animal tem nome. Trabalhei alguns anos numa empresa agropecuária e lá os médicos-veterinários, alguns deles realmente doutorados, chamavam os animais pelo nome. A alegria do cliente, no caso o pecuarista, era ouvir o nome de cada um do plantel. Muitas vezes animais são bem melhor tratados do que seres humanos. Até nos singelos pet shops é assim. Dá até inveja do cãozinho aqui de casa. Não posso mais levá-lo mas o dono do pet vem aqui e o leva e o traz no colo. A Eliana e o Sidney, da Casa Coelho (fica no Mercado Municipal de Osasco, tel. 42374975) vêm em casa trazer a ração dele. Quanto carinho e amor...
Fique claro que pago pelas sessões de fisioterapia, se não quiser ficar mais dura e torta do que estou. Pago pelos serviços de técnica de enfermagem que faz o procedimento diário nos curativos das feridas que corroem o meu glúteo e a minha alma.
Fique claro que autorizei Laércio a não cobrar o estacionamneto das pessoas que diária ou semanalmente cuidam de mim e são pagas por mim. O estacioanmento eu pago, embora ele possa relutar em fazer a cobrança. Como pago em dia o convênio do hospital, os meus impostos e pelos procedimentos de cada profissional que tem me assistido aqui em casa.
Assistência em casa. Outra árdua e cansativa busca diária para uma paraplégica (não sinto nem mexo parte alguma do meu corpo abaixo do estômago). Se eu quiser tomar banho e receber curativos diários tenho que seguir o ditado: "quem não chora não mama".
Como tenho chorado...
Onde estão as pessoas habilitadas para cuidar da gente nessas condições, aqui em Osasco?
Tive uma cuidadora que ficou aqui quase meio ano e não aprendeu a trocar a minha fralda. Quando me acompanhava no hospital me jogava na maca como se eu fosse um saco de batatas. Quase fraturou a minha já fraturada coluna ao assegurar ao ortpedista que conseguiria transferir-me sozinha da cadeira de rodas para uma maca altíssima. Resultado: se o doutor não atendesse ao meu pedido de socorro a mulher teria me derrubado "na chom".
Será que amanhã tomarei banho e terei curativos?
Que essa força cósmica e invisível, Senhor do Tempo e dos Mundos, esteja sempre viva e presente em meu ser, principalmente nos momentos de maior fraqueza, solidão e desânimo. Que assim seja. Amém.

30/10/2011

CUIDADOS

Graças a amiga Leandra garanti banho e curativos até este domingo. Uma enfermeira indicada pela Dra. Vera, da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da OAB-Osasco, trabalhou aqui em casa nos últimos cinco dias em que fiquei sem alguém para auxiliar-me no essencial: banho e curativo. Nesta segunda a Mada começa a trabalhar num hospital, como era seu objetivo antes de prestar esse socorro aqui em casa. Amanhã virá outro anjo, pois estou colocando meus braços e cérebro a procura de outra enfermeira. E assim estão sendo os meus dias...lutando para conseguir comprar o material de curativos, os remédios para dor, espasmos e antidepressivo e o direito de tomar banho e receber curativos nas úlceras de pressão que ganhei no hospital.

CADÊ VOCÊ

O Instituto Mara Gabrilli (IMG) desenvolve projetos para melhorar a vida das pessoas com deficiência, atuando na defesa de um mundo para todos, sem exclusão e com acessos universais.
Cadê Você? é um desses projetos que procura pessoas com deficiência para ajudá-las, por meio de equipe multidisciplinar, no processo de readaptação e inclusão e sobre os seus direitos.
Se você precisa de ajuda ou sabe de alguém que necessita de ajuda nesse difícil recomeço acesse o site http://www.cadevoce.info/
Foi assim que recebi parte da ajuda de que necessito e conheci a equipe da Mara, entre elas a incansável Cida, que sempre me liga nos momentos de maior aperto e dificuldade aqui em casa.
Na foto, de 24/10/2011, entrega de livros da coleção Toby para o acervo do Instituto. Eu e Cida após o meu cadastro no IMG, quando recebi almofada e cadeira (a roda esquerda caiu no primeiro dia de uso e não recebi retorno sobre o que fazer. Não tenho qualquer documentação sobre a cadeira e sua garantia. Não cai graças a uma amiga que estava presente em casa na hora da passagem da cama para a mesma) CADÊ VOCÊ? Espero, em breve, rever a equipe e aprender a lidar com esses imprevistos que imobilizam quem já está imobilizado (rs)
Quem fez a foto e me levou ao encontro do Cadê Você
foi o Jorge, amigo de longa data, que trabalhou comigo na diretoria de Marketing do Bradesco e hoje faz parte de uma Cooperativa de Taxistas em Osasco (3683 6633).

23/10/2011

Aniversário do Lourenço

















É muito importante a família nos momentos felizes e na turbulência dos dias que sucedem acidentes trágicos como o que quase roubou a minha vida e das pessoas amadas. Os conflitos familiares brotam à flor da pele.
Pessoas como eu demandam cuidados e compreensão em tempo integral. Esse tempo as famílias de hoje não têm. Todos lutam pela vida trabalhando muito e recebendo menos do que merecem e precisam ganhar para os gastos do dia-a-dia.
Imaginem quando alguém da família sobrevive a um politrauma com lesão na medula espinhal e sequelas horríveis decorrentes de infecções hospitalares que evoluíram para a osteonecrose da cabeça do fêmur, osteomielite e dolorosas e enormes úlceras de pressão no glúteo e região sacral. 
O serviço de atendimento domiciliar do convênio próprio do hospital não tem cuidado das úlceras, nem da fisioterapia motora e nem tão pouco ajudado nos enormes gastos com materiais de curativo e pessoal de enfermagem para auxiliar-me no banho e curativos diários.
Se eu não quiser ficar abandonada e suja no leito preciso utilizar o que Deus me deu a graça de preservar: o cérebro e os braços.
Para minha família tem sido difíceis os dias. Na maioria deles fico apenas com mamãe para auxiliar-me. Mas nos finais de semana a casa fica alegre com a presença do irmão Lourenço e das sobrinhas amadas.
Neste 23 de outubro Lourenço aniversariou.
Pela primeira vez pude saborear um pedaço de bolo de chocolate e um copo de refrigerante sem enjoar, ao contrário dos longos dias e noites em que fiquei restrita ao leito numa cama torta que durante oito meses pendeu meu corpo à direita, acompanhando a minha também torta coluna espinhal. Até hoje não sei porque estou torta. O resgate do Samu foi perfeito e meu primeiro exame de imagem mostrava uma coluna reta, embora fraturada em dois pontos. 

16/10/2011

Osasco Literatura

Compartilho video da palestra realizada na primeira escola do município de Osasco, em 22 de agosto de 2011. Foi um grande esforço ter estado lá. Ufa! Antes da cadeira de rodas era muito mais fácil. Meu tempo e meu corpo estão limitados pela dor, rigidez e pelas úlceras de pressão no glúteo. Mas tudo passará. Só o amor vive para sempre e nos fortalece para continuar a eterna evolução através do tempo do Senhor.
Fonte: Vimeo - Osasco Literatura
http://vimeo.com/couchmode/osascoliteratura/videos/sort:newest/29782883

15/10/2011

Dia do Professor II

Depende de nós semear a paisagem do futuro

Liguei hoje para uma amiga de infância e a cumprimentei pelo Dia do Professor. 
Não conseguiria falar com a sua mãe, Clementina Ometto, minha primeira professora e não mais moradora da rua Lanciotto Viviani.
Gladys sorriu quando lhe atribuí o papel de minha segunda professora.
Estudamos no Ceneart, onde fui matriculada com 6 anos e meio por iniciativa da minha professora e vizinha. A turma era um pouco mais experiente e Gladys já demonstrava aptidão para o ofício de ensinar. Ela pegava na minha mão e me ensinava a colocar a "perninha" na letra "a".
A filha da professora também era a professora assistente não remunerada porque esse cargo foi inventado muitas décadas depois. Depois de a escola pública ter deixado de ser lugar de educação porque burocratas dos governos deixaram de fazer a lição de casa e sucumbiram diante dos poderosos interesses da iniciativa privada.
Educação, hoje, é sinônimo de negócios.
Não falta mídia para enaltecer o ensino privado e pixar a escola pública.
Motivos também não faltam.
Os problemas são tão gigantes como o tamanho do organograma da rede pública e do orçamento a ser fatiado e, não raro, desviado e mal empregado.
Se recordar é viver, prefiro aproveitar o dia chuvoso para revirar as gavetas da memória e organizar as boas lembranças para inspirar o dia de amanhã.
Amanhã não poderá faltar o amor, a esperança e o esforço de superação para semear novas ideias aos donos do futuro.
Haverá amanhã às crianças que, inocentes, passam indiferentes aos olhos daqueles que conspiram para lhes subtrair o futuro?
"Depende de nós, quem já foi ou ainda é criança..."

Na crônica "Rumo ao Sul Maravilha II", na qual conto um pouco da história da minha família, também são citados os meus vizinhos, entre eles a família Ometto, das minhas insquecíveis professoras Clementina e Gladys, Blog, 6 de junho de 2006

Parte I
http://gpecchio.blogspot.com/2006/06/crnica-rumo-ao-sulparte-i.html
Parte II
http://gpecchio.blogspot.com/2006/06/crnica-rumo-ao-sulparteii.html

14/10/2011

Dia do Professor













MENSAGEM AOS PROFESSORES

Por intermédio desta mensagem, enviada à Secretaria de Educação de Osasco, desejo parabenizar a todos os professores que desde o início do meu trabalho autoral acolheram-me em suas escolas e me ajudaram a cultuar os valores essenciais em favor do meio ambiente, ecologia e acessibilidade.

"Antecipo os cumprimentos pelo Dia do Professor e agradeço pela maravilhosa oportunidade de falar aos alunos e professores da Emef. Prof. Marechal Bittencourt por ocasião do Desfile do 7 de Setembro.
Senti muito não ter podido confirmar presença para estar junto de vocês na data tão especial para os cultores da Pátria, das Letras e da Literatura.
Foi uma magnífica ideia o tema escolhido para 2011.
Para mim, foi um grande estímulo ter sido lembrada por vocês, pela primeira vez, e após um ano e seis meses do trágico acidente que deixou-me paraplégica.
Gostaria muito que as crianças das nossas escolas conhecessem os livros da coleção Toby, pioneira em tinta, audiolivro, braile e tinta ampliada.
Abraço meu e parabéns a todos os professores que se dedicam com amor à arte de ensinar e cultuar valores essenciais".

À Profa. Maria José (Mazé) Favarão
Secretária de Educação do Município de Osasco

De
Gisele Pecchio Dias
coleção Toby
jornalista da Prefeitura do Município de Osasco

12/10/2011

Dia das Crianças 2011

Esther e Isabel visitam Gisele em casa

Ao contrário de outros anos, neste Dia das Crianças não estarei na Praça de Eventos do Osasco Plaza Shopping lançando livro da coleção Toby, autografando, lendo e colorindo com as crianças. Também não estarei numa das lojas da Livraria Cultura ou da Vila. Neste 12 de outubro estarei em casa vibrando pela saúde, educação e segurança dos pequeninos.
Que o manto sagrado de Nossa Senhora da Aparecida os cubra de proteção e amor e que o Menino-Deus esteja sempre presente em cada um de seus dias.
Recebi em casa, na véspera deste dia tão especial, a visita das gêmeas Esther e Isabel, caçulas do casal Solange e Carlos. Após um ano e sete meses do acidente que me deixou paraplégica, com graves sequelas, foi a primeira vez que autografei um dos meus livros e recebi duas crianças tão lindas e ternas em minha casa. Elas adoraram o cãozinho da família, paixão das minhas sobrinhas Marianna e Pamela. O poodle Toby tem a mesma idade das gêmeas: 6 anos. Brincaram, se abraçaram e nos ofereceram a pureza do amor fraterno que não vê diferenças.

Imagens: Esther, Isabel e Toby. Para Carlos, pai das gêmeas, "este cãozinho é muito especial, lambeu três vezes a minha mão em agradecimento por eu ter auxiliado na transferência de Gisele da cadeira de rodas para a cama".

07/10/2011

Steve Jobs

"A certeza de saber que morrerei inspirou-me a fazer grandes escolhas na vida..."

"Seu tempo é limitado, então não o perca vivendo a vida de outro. Não seja aprisionado pelo dogma que é viver com os resultados do pensamento de outras pessoas. Não deixe o barulho da opinião dos outros abafar a sua voz interior. E, o mais importante, tenha coragem de seguir o seu coração e a sua intuição. Eles, de alguma forma, já sabem o que você realmente quer se tornar. Tudo o mais é secundário". Steve Jobs, um visionário da era da tecnologia da informação para todos. (1955-2011)

17/09/2011

Machado de Assis

Ilustração, em óleo sobre tela, da artista plástica Gladys Ometto para o livro "Uma Aventura na Amazônia - Raycha", de Gisele Pecchio www.livrariacultura.com.br


Relendo Machado de Assis
, um dos grandes gênios da história da literatura ao lado de Dante, Shakespeare e Camões, anoto no blog trecho do capítulo 11, de Dom Casmurro, 1899:

"O meu fim evidente era atar as duas pontas da vida, e restaurar a adolescência.
Pois, senhor, não consegui recompor o que foi nem o que fui. Em tudo, se o rosto é igual, a fisionomia é diferente.
Se, só me faltassem os outros, vá; um homem consola-se mais ou menos das pessoas que perde; mas falto eu mesmo, e esta lacuna é ... tudo".

31/08/2011

Música da minha infância

É uma canção infantil, muito graciosa, gravada para sempre no meu imaginário, entre as melhores recordações que tenho da minha infância. A letra original, em japonês, e a versão para o nosso idioma, foi da Sonia, uma nissei que acompanhava a avó internada no Hospital Cruzeiro do Sul, no mesmo quarto onde passei longos dias e intermináveis noites. Juntas, cantamos em japonês. Qualquer hora gravarei em Mp3 e colocarei o arquivo de voz para você conhecer a graciosa canção infantil que aprendi com minha coleguinha Maria Luiza, que morou alguns anos na minha rua. Hoje restaram a minha família, a do Dr. Enzo e a  do Dr. Jorge, os pioneiros moradores da rua Lanciotto Viviani, centro de Osasco. clic sobre a imagem para ampliá-la

21/08/2011

Todos escrevem

A fala do povo

Esta é a última tela de parte da palestra de Gisele Pecchio nesta segunda, 22, às 14 horas, na Emef. Prof. Marechal Bittencourt, a primeira escola da cidade de Osasco. "Será o meu primeiro encontro com alunos e professores após o trágico acidente que deixou-me na cadeira de rodas após quase um ano de internação, cirurgias e muito antibiótico. Tenho saudade e ansiedade pelo reencontro da Gisele e do Toby com o universo da literatura para crianças de todas as idades".

A fala do povo
ilustração tela 15.

 

11/08/2011

Todos escrevem

...A fala do povo

ilustração tela 5. Meninos leem "Um par de asas para Toby" em braile. Foi o primeiro livro infantil do acervo da entidade.


10/08/2011

Michael Jackson: Smile

letra: John Turner e Geoffrey Parsons
Música: Charlie Chaplin
Interpretação: Michael Jackson
SMILE though your heart is aching
Smile even though it's breaking
When there are clouds in the sky you'll get by
If you smile with your fear and sorrow
Smile and maybe tomorrow
You'll find that life is still worthwhile
If you just...

GISELE PECCHIO clic sobre o meu nome para ver e/ou ouvir


Todos escrevem

...A fala do povo

ilustração tela 4.

 

07/08/2011

Todos escrevem - A fala do povo











A partir de hoje até o dia 21, véspera da primeira palestra de Gisele Pecchio como cadeirante, o Blog www.gpecchio.blogspot.com divulgará trechos da palestra, por meio da exibição dos 15 audiovisuais em PPT e Mp3 que compõem o conteúdo da fala da autora aos alunos da Emef Prof. Marechal Bittencourt, a primeira escola da cidade de Osasco. O Planeta Educação confirmou presença. Falta a confirmação dos organizadores sobre o transporte acessível solicitado pela escritora cadeirante que edita seus livros em formato acessível: tinta, audiolivro, braile e tinta ampliada.
ilustração: tela 1

01/08/2011

Toby no Planeta Educação

Adeva comemora 33 anos

Na próxima terça, 9, às 19h30, na capela do Hospital Santa Catarina, haverá missa em ação de graças pelos 33 anos de existência da Adeva, tradicional associação em favor do deficiente visual.
O escritor Markiano Charan Filho, presidente da entidade, convida a todos para participar e ajudar na divulgação desta missa.

Data: 9 de agosto de 2011
Horário: 19h30
Local: Capela do Hospital Santa Catarina;
Endereço: Av. Paulista, 200.
       
Markiano Charan Filho
E-mail:
markiano@terra.com.br

27/06/2011

Toby partiu mas é eterno no imaginário infantil

O cão Toby (foto) inspirou a criação da personagem Toby, protagonista das histórias da primeira coleção de livros acessíveis no Brasil, editados pela própria autora em áudio, tinta, braile+tinta ampliada.

Conheci Toby em 2001, na praia do Arpoador, Peruíbe (litoral sul de São Paulo). Em 2003, inspirada nas travessuras e popularidade do cão caiçara corredor e goleiro, escrevi o primeiro livro da coleção: "Um par de asas para Toby". 
No final de 2008, quando lançava o terceiro título: "Uma aventura na Amazônia - Raycha", Toby havia mudado com o filho Skip e seus "pais" para Florianópolis (SC).

Em 2010, fiquei quase um ano internada em hospital sem escrever e receber notícias do mundo das letras, das escolas, das crianças e do meu querido cão caiçara.

Em casa, há seis meses, soube pela Cibele ("mãe" do Toby) que ele havia nos deixado há quase dois anos. Fiquei triste com a notícia mas sei que no mundo espiritual está reservado um lindo lugar, no colo de Jesus, para seres cujas virtudes, índole e pureza não lhes permitiram tomar forma humana.

Fique em paz, Tobinho... Você já está eternizado no coração das crianças que leram e lerão as suas travessuras e ensinamentos sobre os cuidados que devemos ter uns com os outros e com o meio em que vivemos.