Toby Collection, pioneer in accessible for children gisele.jorn@uol.com.br

Loading...

08/06/2006

Crônica [Rumo ao Sul...parte I]


escrita em agosto/2002
legenda de foto: Família Acioli, em Maceió (AL), década de 30; papai é o primeiro, à esquerda.

Rumo ao Sul Maravilha. Até quando?

Há quase sete décadas migrantes nordestinos eram trazidos a São Paulo como mão-de-obra escrava para servir nos cafezais do interior do estado, onde se misturavam com imigrantes trazidos da Itália, para o mesmo fim. A política expansionista de governos populistas iludia a população menos esclarecida, que embarcava no ITA, rumo ao Sul Maravilha, vindo ao encontro da doença, da miséria e da morte precoce.

Há 64 anos meus avôs paternos embarcaram nesse vapor. A história da minha família não é diferente de outras que continuam vindo para cá, com a mesma ilusão. Só que agora são motivadas a invadir terras particulares, até no perímetro urbano. Um sofrimento inútil. São Paulo e cidades como Osasco não suportam mais a demanda dessas correntes migratórias. Simplesmente porque não existem mais terras. E mesmo que houvessem, não há emprego e ninguém come terra.
Somos um país agrícola. É preciso plantar e colher da terra o nosso sustento. Temos 50 milhões de hectares cultivados no país e há outros 80 milhões de hectares prontos para serem cultivados, dependendo de decisões de governo.
Enquanto São Paulo e as grandes cidades deterioram devido à explosão demográfica e a falta de emprego, moradia, transporte e serviços para atender uma clientela que não pára de crescer, milhões de hectares de terra fértil estão prontos para o cultivo numa faixa compreendida entre os estados de Minas Gerais, Bahia, Goiás e outros estados do centro oeste brasileiro.
Depois da Índia, o Brasil é o país que possui o maior potencial de fronteiras agrícolas do mundo. E há empresários dispostos a investir US$ 600 milhões até o final de 2005 na ampliação dessas fronteiras agrícolas. Desses investimentos depende o incremento das nossas exportações e tudo vai depender da política governamental e do bom senso na condução das políticas públicas. É preciso dar um basta à demagogia e às ações imediatas que só contribuem para rebaixar a auto-estima e a dignidade do sofrido cidadão brasileiro.

Uma história que não acabou em tragédia. Mas poderia ...

1938. Seo Manuel, dona Ninfa Acioli Dias e os filhos Eloísa, José, Ivete, Elias, Elita, Hélio e Elza embarcam no vapor ITA rumo a São Paulo. Deixaram para trás a casa na rua do Sol, centro da bela Maceió, onde Manuel tinha um bar-restaurante, função exercida desde que deixou a Guarda de Honra do Palácio Marechal, sede do governo do estado de Alagoas. Meu avô paterno foi um dos milhões de brasileiros iludidos pela conversa fácil de políticos demagogos, que sempre agiram nessas terras.
José Acioli (meu pai), o primogênito, ficou inconformado por deixar para trás elegantes professoras, escolhidas para lecionar nas escolas públicas entre as melhores famílias alagoanas, o uniforme e os cadernos da escola técnica, que tanto o orgulhavam. Diversas vezes ele relatou-me a cerimônia de inauguração da sua escola, pelo presidente Getúlio Vargas, que buscou inspiração no modelo francês de ensino até no fardamento das crianças e no material didático,totalmente gratuitos. Papai dizia que estudava em período integral e já estava aprendendo artes e ofícios quando foi arrancado da escola por causa de uma decisão equivocada que iria mudar o destino da família. Ele já tinha a caligrafia linda que exibiu a vida toda e o gosto pelas cores e formas que o levaram a seguir, anos mais tarde, a profissão de pintor-letrista.
Vovó Ninfa deixou pra trás suas panelas e receitas finas que fazia com arte. Disseram para ela não levar louça, panelas, talheres nem mesmo roupas de cama porque aqui em São Paulo ela compraria tudo novamente, bem baratinho ...
Longos dias se passaram até o ITA atracar no porto de Santos. Ao desembarcarem, famílias nordestinas e mineiras eram transportadas, em trens, até o bairro do Brás, em São Paulo, para serem cadastradas no antigo departamento de imigração. Lá já haviam centenas de italianos aguardando pela triagem e encaminhamento para o trabalho forçado nos cafezais do interior do Estado...

Crônica [Rumo ao Sul...parteII]

legenda de foto: Eu e papai, na USP, 1993

...Quando minha família acordou para a triste realidade já servia como mão-de-obra escrava na fazenda Santa Lina, na cidade de Quatá, região de Assis. Seo Manuel adoeceu e não tinha mais força para o trabalho pesado. Era homem da cidade, não entendia nada do campo, muito menos da maldade do homem que escraviza.
No dizer dos próprios irmãos, papai foi o mártir da família. Era o filho homem mais velho e
trabalhava de sol a sol nos cafezais. Vovó engravidou e teve a caçula Zuleide.
A família teria sido escravizada na fazenda até a morte não fosse a fuga de todos, numa madrugada. Seo Manuel teria sido morto numa emboscada, pelo capataz da fazenda, mas a carteira funcional de guarda civil o livrou da morte e garantiu a liberdade da família.
Caminharam quilômetros até chegarem na cidade, onde não invadiram terras nem pediram esmolas. Exibiram o gosto pelo trabalho e pela vontade de vencer, índole legítima do nosso povo. E as portas foram sendo abertas, pouco a pouco. Vovô abriu uma pensão, onde vovó fez sucesso com as suas receitas alagoanas de dar água na boca do promotor público, do médico e do professor da pequena cidade do oeste paulista.
Papai alfabetizou os irmãos, aprendeu a beneficiar café e arroz, nas máquinas da Carone & Filhos, e aprendeu o ofício de pintor com o alemão Jorge. Casou com a telefonista Fany e veio tentar a sorte na Capital, para onde anos mais tarde trouxe o professor Jorge para trabalhar com ele. Pintou e decorou paredes, vitrines, foi cartazista e letrista das lojas Assumpção, Isnard e Meyer Copper, no bairro de Santa Cecília, onde fui batizada.
Novas portas foram abertas para José Acioli Dias, até ele chegar em Osasco, em 1959, para onde mudou no ano seguinte. Na época, Osasco ainda era um bairro distante de São Paulo. Tempos depois, papai foi convidado pelo prefeito da cidade, Hirant Sanazar, para ser o primeiro pintor-letrista da recém fundada prefeitura municipal. Foi admitido em 7 de junho de 1962. Juntou suas economias e as da mamãe, que também era costureira, e comprou terreno do loteador Arlindo Tonato, no dizer de papai um homem honesto e de grande valor. Construiu nossa casa na então rua Particular, nº 16. Hoje rua Lanciotto Viviani, onde fomos uma das primeiras famílias a morar. Daquela época ainda há a nossa família, a de Ítalo Pestili e Clementina Ometto, minha primeira professora, no antigo Ceneart, onde ingressei com seis anos e meio.
Infelizmente papai faleceu há oito meses, e deixou muita saudade entre nós. Mas vamos prosseguir essa história. Eu, mamãe, Lourenço, Pamela e Marianna.
As últimas letras pintadas por ele foram numa placa de obra da arquiteta Marly Boghazdelikian, encomendada pelo amigo Catarino, desenhista-projetista e ex-vereador de Osasco. Também fazia retratos, com grafite. Os últimos rostos que desenhou foram o do seu médico Elias Pichara Jr., do ídolo Pelé, e do poeta popular Tiko Lee.

Acioli retratou seu médico, Elias Pichara Jr.

Gisele Pecchio Dias é jornalista e autora da Coleção Toby, a primeira no formato acessível para crianças. Especializada em comunicação empresarial, é jornalista de carreira da Prefeitura de Osasco. Foi a primeira jornalista a realizar Assessoria de Imprensa no Bradesco, onde ingressou em 1984, na então Pecplan-Fundação Bradesco.