Toby Collection, pioneer in accessible for children gisele.jorn@uol.com.br

Loading...

18/12/2014

ESTIVE COM CHICO BUARQUE, NA RUA MARIA ANTONIA

Convidada pela editora Companhia das Letras, num ensolarado e inesquecível sábado de 2002, compareci ao relançamento de Raízes do Brasil, a mais importante obra de Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982, SP) e a mais fiel descrição da história da cultura e formação da sociedade brasileira. Evento comemorativo dos 100 anos de nascimento do autor, no Centro Universitário Maria Antonia, da USP, onde ele lecionou na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, palco das organizações universitárias que marcaram os movimentos sociais contra a ditadura.

Ao entrar no auditório, além de um mergulho na história estudantil, percebi que era um evento para poucos convidados. Filhos do autor, jornalistas e críticos de literatura. Senti-me tímida diante de personalidades tão queridas e importantes como a cantora Miúcha, Ana de Holanda e Cristina Buarque, sentadas na primeira fileira. De repente um silêncio absoluto e a chegada discreta do mais famoso filho do homenageado: Francisco Buarque de Holanda, o Chico Buarque. Coube a ele ler um trecho do livro escrito pelo pai, publicado em 1936, mais tarde traduzido em várias línguas.

As luzes direcionadas para o palco destacavam o par de olhos verdes que pareciam olhar para mim quando ele lançava os olhos à plateia, que mal respirava tamanha a concentração e o respeito pelo momento único que a editora nos proporcionou.

Após a leitura, Chico Buarque concedeu poucas palavras às perguntas dos jornalistas. Não consegui formular uma única questão. Jamais fui tão tímida em toda a minha vida de timidez. Saí da sala, em direção à saída do prédio histórico, com as mãos molhadas de suor. Ao perceber alguém saindo logo em seguida virei a cabeça para o lado direito do corredor, era Chico Buarque que parou, tocou na maçaneta de uma porta, para abrir, e ficou por um instante olhando para mim. Senti que ele me deu a chance de lhe perguntar algo. Fiquei pálida, sorri e segui meu caminho me sentindo a criatura mais tola do mundo.

Enquanto caminhava pela rua Maria Antonia, lembrei-me de personalidades como as cantoras Elba Ramalho e Joyce, elas também sentiram algo parecido quando viram Chico Buarque pela primeira vez. Ele é tão simples, discreto e de poucas e certas palavras que desarma a gente.

Sérgio Buarque de Holanda, historiador, professor, jornalista, escritor e crítico literário. Um dos intelectuais fundadores do Partido dos Trabalhadores, em 1980. Formado em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade do Brasil, atual UFRJ, foi correspondente de O Jornal, dos Diários Associados, em Berlim, de 1929 a 1930.



 
















A mais famosa obra escrita pelo autor

Chico Buarque, músico, compositor, cantor, dramaturgo e escritor acaba de lançar mais um romance, inspirado em seu oitavo irmão, por parte de pai, nascido em Berlim. O Irmão Alemão, novembro, 2014, editora Companhia das Letras 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço pela sua presença. Abraço meu, Gisele