Toby Collection, pioneer in accessible for children gisele.jorn@uol.com.br

Loading...

19/11/2007

Bandeira Nacional, por Gisele Pecchio











O menino, a Bandeira e o futuro

Por Gisele Pecchio

"Salve, lindo pendão da esperança, Salve, símbolo augusto da paz! Tua nobre presença à lembrança A grandeza da Pátria nos traz...”

O brasileiro Lucas, 2 anos, com os braços para o alto e o sorriso emoldurando o rosto pálido, de feições angelicais, foi a mais bela homenagem prestada à Bandeira Nacional presenciada por mim, em 19 de novembro.
Eu saia da repartição pública onde trabalho, por volta das 12 horas, quando encontrei o menino trazido no colo, pela mãe. Ele sorria, com os braços apontados na direção do Pavilhão Nacional. Cheguei a ouvi-lo balbuciar algo, como se estivesse se comunicando com as bandeiras, lá hasteadas.
“É a primeira vez que ele vê bandeiras”, disse a mãe. “Ainda bem que elas estão em perfeito estado e correta apresentação”, pensei comigo mesma. Noutra repartição, da saúde estadual, por onde eu havia passado, pela manhã, o menino encontraria o Pavilhão Nacional em péssimas condições. Uma pena alguns gestores públicos não observarem o respeito a um dos mais importantes símbolos nacionais. É sabido que a ignorância parece estar na moda, mas, no que se refere aos símbolos nacionais, a não observância aos princípios da Lei é condenável.
A chuva fina não foi impedimento para a homenagem única e solitária do menino. Em retribuição ao afeto sincero, soprado pelo vento leve o céu de puríssimo azul, a verdura sem par das nossas matas e o esplendor do Cruzeiro do Sul tremularam em saudação exclusiva. Só Lucas entendeu o significado particular daquela saudação.
Eu, maravilhada com a cena, sorri para a mãe e para o menino que alheio continuava olhando firme na direção do verde lábaro estrelado, ladeado pelas bandeiras do Estado de São Paulo e do Município de Osasco.
Nos olhos verdes do menino brilhavam em profusão as cores do “querido símbolo da terra, da amada terra do Brasil!”, como escreveu o poeta Olavo Bilac e compôs o músico Francisco Braga.
Lá, diante da Bandeira Nacional, perto do meio do dia dedicado a Ela estavam apenas o menino, no colo da mãe, e eu, admirada com a beleza da imagem à minha frente. Sem cerimônia, sem hino. Só a chuva fina e o vento suave trazendo à memória os tempos em que não ignorar era moda.
gisele.jorn@uol.com.br
”...Recebe o afeto que se encerra Em nosso peito juvenil, Querido símbolo da terra, Da amada terra do Brasil!...”

2 comentários:

  1. Gisele,

    Linda a tua crónica e muito bela a homenagem à Bandeira. Tão linda que a publiquei na íntegra no meu blog.

    Parabéns pela sensibilidade. Isso nos faz refletir sobre os valores de nosso povo.

    ResponderExcluir
  2. Post da Gisele no Blog do Renato Ferreira em http://renatojogoaberto.blogspot.com
    Na semana anterior a essa as unidades da Associação Cristã de Moços (ACM), no mundo todo, realizaram encontros em Ação de Graças tendo como lema: "As crianças em primeiro lugar".
    Foi assim na unidade Osasco, da qual faço parte. Uma bonita confraternização, cuja palavra de fé em Deus foi confiada a um pastor presbiteriano, também associado.
    Em palavras sábias, extraídas da Bíblia, o pastor lembrou o quanto Jesus Cristo valorizou as crianças em sua passagem pela vida terrena. Lembrou ainda o quanto os adultos têm embaraçado a cabeça dos pequenos com as suas condutas contraditórias e desrespeitosas.
    Nesta data tão especial, sinto-me abençoada por ter testemunhado a figura do menino, de olhos brilhantes e puros, apontando para o símbolo maior da Nação.
    As crianças em primeiro lugar.
    Às crianças dedico a minha eterna gratidão pelo belo contido na forma como lêem o mundo.
    Saudações da Gisele Pecchio ao amigo Renato e leitores do Jogo Aberto.

    ResponderExcluir

Agradeço pela sua presença. Abraço meu, Gisele